Gráfico Waterfall (em cascata) na Análise de Resultados – Horizontal e Vertical

Oi Pessoal!

Estou escrevendo esse post para mostrar como podemos utilizar o gráfico waterfall na análise Horizontal e Vertical das demonstrações financeiras, que são relatórios contábeis que apoiam a tomada de decisão nas empresas. Os demonstrativos mais importantes são: Demonstração de Resultados (DRE), Balanço Patrimonial e Fluxo de Caixa.

Nos exemplos abaixo, usarei apenas linhas da DRE.

Obs: vocês podem baixar o arquivo de suporte ao post, com os gráficos abaixo, no link Downloads ao lado – Gráfico Waterfall (em cascata).

Vamos lá…

Gráfico Waterfall (em cascata)

Podemos dizer que é um gráfico de colunas empilhadas, onde as séries do gráfico são compostas por uma base “invisível” e uma parcela visível que mostra a evolução / variação, por exemplo, de um item da demonstração financeira.

Análise Horizontal

A análise horizontal é utilizada na verificação da evolução no tempo dos itens das demonstrações financeiras, buscando determinar tendências e avaliar o atingimento de metas planejadas. Com esta análise podemos comparar os resultados contábeis obtidos durante o decorrer do ano com o orçamento projetado para o respectivo período.

Como exemplo, criei o waterfall abaixo para mostrar o impacto das variações de cada uma das linhas da DRE na comparação do resultado orçado com o resultado real de um período qualquer.

A partir deste gráfico conseguimos avaliar como as linhas da DRE impactaram o resultado apurado, ou seja, quais Ganhos e Perdas influenciaram no atingimento ou não da meta estabelecida (resultado orçado – primeira coluna).

Considerar as variações de receita e despesas na comparação orçado versus real como Perdas e Ganhos, significa que um aumento de receita, ou Ganho de Resultado, será representado no gráfico por uma área azul aumentando o patamar da sequência das colunas, e que uma queda da receita aparecerá como uma área vermelha diminuindo esse mesmo patamar. Para as despesas, o conceito válido é o inverso, ou seja, um aumento representa uma Perda de Resultado e uma queda de despesa (economia) um Ganho de Resultado.

Atenção: os valores de receita e despesas deste gráfico correspondem as variações do orçado vs real de cada uma das linhas. Ou seja, se orçamos R$ 100 milhões de receita e apuramos como real R$ 135 milhões, tivemos um Ganho de Resultado de +R$ 35 milhões, que aparecerá no gráfico como uma área azul no valor de R$ 35 Milhões.

Análise Vertical

Quanto à análise vertical, usamos para ter ideia da representatividade de um item da demonstração financeira em relação a outro que estabelecemos como parâmetro. Por exemplo, podemos verificar qual é o percentual gasto com despesa de pessoal em relação ao valor total de despesas de um determinado período.

A aplicabilidade dessa análise pode ser melhor visualizada no waterfall abaixo que criei como exemplo.

Este gráfico mostra a representatividade de cada uma das despesas em relação a receita usada como parâmetro, ou seja, partindo de 100% da receita, conseguimos avaliar quanto cada uma das “nossas despesas” consumiu até obtermos o resultado apurado, que nada mais é que a receita diminuída das despesas.

Além de ser útil para verificarmos se os patamares de despesas apurados (realizados) estão de acordo com o que planejamos, esse tipo de análise é muito interessante, por exemplo, para compararmos os gastos de produtos e áreas similares ou mesmo para efetuarmos benchmark com a concorrência, buscando mensurar a nossa eficiência operacional.

Abs, Dr. Excel

Análise de Resultados! (fórmulas: Indireto, SomarProduto e SomaSe)

Oi Pessoal!

Recebi um comentário no post Índice+Corresp (PROCV mais eficiente!), enviado pelo Rafael Ovelha, falando sobre a fórmula Indireto. Após pesquisar melhor sobre essa fórmula em alguns fóruns, resolvi escrever esse post.

Criei uma planilha usando as fórmulas Indireto, SomarProduto e SomaSe, onde montei uma tabela resumo de despesas por período, com classificação por natureza (tipo de despesa). Quem fizer o download (vide * abaixo) do arquivo vai perceber que se trata de uma tabela simples, onde procurei demonstrar, de forma clara e objetiva, como criar planilhas inteligentes para análise/ controle de resultados.

É claro que podemos elaborar algo bem mais completo e complexo, entretanto, meu principal objetivo aqui no blog é dar uma ideia resumida de Excel avançado e VBA, com exemplos simples, mas que reflitam as atividades do pessoal de Controladoria/ Finanças voltadas para planejamento e controle de orçamento.

Então, vou deixar sempre a parte do “completo e complexo” por conta da criatividade e necessidade individual de cada um dos leitores que acompanham o blog!

* Vocês podem efetuar o download da planilha de apoio clicando aqui!

Bom, vamos começar pela fórmula SomaSe, que na minha opinião é a mais fácil das três.

Usando a tabela abaixo como exemplo, podemos obter o valor total das despesas classificadas como ESCRITÓRIO (na coluna B) no mês de fevereiro (coluna D), escrevendo o seguinte:

=SOMASE(B:B;”ESCRITÓRIO”;D:D)


Nesta expressão, pedimos ao Excel que efetue a soma de todos os valores da coluna D, que foram classificados como “ESCRITÓRIO” na coluna B. Em outras palavras, é como se a fórmula percorre-se toda a coluna B, desde a primeira linha, e considerasse na soma todas as despesas com escritório.

Neste exemplo, o resultado será 8.300, correspondente a soma dos seguintes valores: 5.000 + 1.500 + 1.200 + 600.

Agora vamos entender como funciona a fórmula SomarProduto, calculando o total de despesas com COMISSÕES nos meses de janeiro e fevereiro, conforme figura abaixo.

Para isso, devemos escrever o seguinte:

=SOMARPRODUTO(C1:E1;C9:E9)

Como o próprio nome sugere, a fórmula SomarProduto efetua a soma dos produtos dos intervalos de células que a compõe. Simplificando, podemos dizer que o Excel multiplica cada célula do primeiro range por cada célula do segundo range (células que estejam na mesma ordem nos dois intervalos) e, no final, soma todos os resultados das multiplicações. Assim, podemos concluir que, necessariamente, os dois ranges da fórmula devem possuir o mesmo tamanho.

Para este exemplo, a fórmula acima é equivalente à seguinte expressão matemática:

1×1.500 + 1×100 + 0x1.500 = 1.600

Agora sim, vamos falar da fórmula Indireto!

Quando procurei por essa fórmula nas funções do Excel, encontrei o seguinte texto descritivo: “Retorna uma referência indicada por um valor de texto”.

A partir daí, tive a ideia de usar esta fórmula para montar uma tabela comparativa de despesas por período, vinculando a escolha do mês de análise à posição (coluna) deste mês na planilha.

Exemplificando, como podem reparar na tabela abaixo, o mês de fevereiro encontra-se na coluna G. Então, para obtermos a soma de todos os valores desta coluna, basta escrevermos =SOMA(G:G).

Mas como efetuar uma soma dinâmica, onde poderemos alterar o mês de análise sem precisar alterar a fórmula de soma?

É nesta parte que entra a fórmula Indireto

O que fiz foi vincular cada um dos meses a uma posição (coluna na planilha) e incluir esta referência na soma dos valores, usando a fórmula Indireto. Com isso, a fórmula ficou da seguinte forma: =SOMA(INDIRETO(W7)). Onde o valor da célula W7 representa o range com os valores que queremos somar (G:G).

Obs: reparem que para alterar o valor da célula W7, usei a fórmula Procv, vinculando o mês selecionado a coluna onde estão as despesas desse mês. (para entender melhor como funciona a fórmula Procv, procure por esta fórmula na pesquisa do blog!

Para deixar a fórmula mais inteligente, troquei a fórmula Soma por SomaSe, criando um resumo das despesas por classificação. Além disso, usei a fórmula SomarProduto para calcular o total acumulado do período na coluna R, ou seja, a soma de janeiro até o mês selecionado.

Espero que esse post ajude bastante, principalmente o pessoal de Controladoria, na hora de montar análises para as apresentações mensais de resultado!

Abs, Dr. E

P.S. Gostaria de pedir desculpas, mas infelizmente não estou conseguindo responder todos os e-mails com dúvidas que venho recebendo. Por isso, peço que não usem o espaço de comentários do post para enviar dúvidas.

Combinação de gráficos – criando diferencial

Oi Pessoal,

Neste post vou falar de um gráfico bem simples, mas capaz de criar diferencial em suas apresentações!

Quando montamos apresentações, para facilitar o entendimento e prender a atenção do público, temos que focar na clareza e objetividade das informações que serão mostradas. Isso vale também na hora de criar gráficos no Excel para incluir nessas apresentações. Não adianta ser um expert em gráficos se você não consegue utilizar esse conhecimento para atender da melhor forma as expectativas do seu público-alvo.

Então, antes de criarmos um gráfico, acho importante sempre refletirmos sobre as seguintes questões:

Qual tipo de gráfico está mais alinhado ao meu objetivo? O que estou pretendendo: fazer uma comparação, mostrar uma distribuição, uma composição, mostrar tendências/ evoluções ou relacionamentos? Qual o tamanho da linha de tempo que vou usar? Quantos anos, meses, dias pretende mostrar/ comparar?

Agora vou tentar mostrar como é simples combinar dois gráficos num único, facilitando o entendimento do que você quer transmitir.

Como exemplo, vou usar a tabela abaixo para comparar as despesas mensais de uma empresa durante três exercícios (2008, 2009 e 2010).

Montei três gráficos, conforme figuras a seguir. Repare que o primeiro gráfico é do tipo Linhas com Marcadores, o segundo é do tipo Colunas Agrupadas e o terceiro é uma combinação dos dois anteriores.

Essa simples combinação é uma forma de facilitar o entendimento do gráfico por não exigir que você prenda sua atenção visual, única e exclusivamente, as cores relacionadas a cada ano (2008, 2009 e 2010).

Esse último gráfico combinado é bem interessante para compararmos, por exemplo, um período de despesas realizadas contra dois anos de planejamento. Neste exemplo específico, 2008 corresponde às despesas realizadas do ano anterior, 2009 ao forecast do ano atual e 2010 ao orçamento do próximo ano. Pensando bem, apesar de termos três períodos distintos no gráfico, nosso objetivo é efetuar uma comparação realizado vs planejado. Reforçando, onde 2008 representa o realizado e 2009/ 2010 o planejado. Por isso, usei o tipo Linha com Marcadores para destacar o realizado dos demais exercícios, que continuaram como colunas.

Para alterar uma das séries de dados, neste exemplo a do ano de 2008, basta seguir os seguintes passos:

Selecione uma das colunas desta série, conforme figura abaixo, clique na guia Design, clique no botão Alterar Tipo de Gráfico e logo após escolha o tipo Linha com Marcadores.

Buscando sempre uma boa impressão, formatando o gráfico acima, poderíamos ter o resultado abaixo.  Esse é um exemplo muito usado pela área de Controladoria para análise de Resultados!

Abs, Dr. E

P.S. Gostaria de pedir desculpas, mas infelizmente não estou conseguindo responder todos os e-mails com dúvidas que venho recebendo. Por isso, peço que não usem o espaço de comentários do post para enviar dúvidas.